quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

JOÃO LYRA ADMITE PODER HAVER MUDANÇA DE PERFIL COM A SAÍDA DE EDUARDO CAMPOS

JC Imagem Em entrevista concedida à Rádio Jornal na manhã desta quarta-feira (1º), o vice-governador João Lyra Neto admitiu que pode haver uma mudança no perfil de governar dele em relação ao titular, Eduardo Campos (PSB), após a saída do socialista para disputar a Presidência da República. "O que foi programado por Eduardo Campos será feito. Isso não tem dúvida nenhuma. Mas as circunstâncias vão levar, possivelmente, a fazer algumas coisas que estejam identificadas com o meu perfil", disse, em entrevista ao comunicador Geraldo Freire. O atual governador anunciou na segunda (30) que deixará o governo pernambucano no dia 4 de abril, último dia do prazo para se desincompatibilizar antes de disputar a Presidência da República. Segundo o vice-governador, a mudança de perfil em função da troca de governador não deve afetar o ritmo de continuidade dado à gestão. "Vai ser muito tranquila [a transição]. Porque nós convivemos, nós criamos um laço de uma relação de confiança muito grande, de cumplicidade", afirmou, sobre o período de sete anos em que tem sido vice de Eduardo. "Ao mesmo tempo, não há como separar [o desejo de continuidade da mudança de governador]. Porque eu sou uma pessoa, e Eduardo é outra. Nós comungamos do mesmo pensamento político, do mesmo compromisso com o povo de Pernambuco, mas cada um dentro do seu perfil, da suas características, da sua identidade", lembrou. Durante a conversa de quase cinco horas que teve com o atual governador após uma almoço na segunda-feira (30), João Lyra pediu para ter mais informações sobre o governo que vai comandar a partir de abril. "Nós ficamos conversando por mais de quatro horas. Dizendo da necessidade de eu ter algumas informações a mais do que eu tenho como vice-governador. E ele deu absoluta liberdade", diz. A partir daí, o vice-governador começou a organizar algumas áreas do governo sobre as quais "precisa se informar mais". "Porque eu vou ter o comando do governo, como ele teve durante sete anos a partir de abril. Então eu vou começar a me reunir com os secretários das áreas-meio, das áreas estratégicas", justificou. Como o tempo é curto, João Lyra também já começou a receber empresários e a discutir o trabalho a ser realizado nos nove meses de gestão. "Eu sei que o período é muito curto. Mas eu já estou recebendo demandas. Já estou discutindo", garante