quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

SCHUMACHER CONTINUA EM ESTADO GRAVE

Schumacher,
Embaixador da UNESCO, doou US$1,5 milhões para projetos ligados a educação e ao esporte. Financiou, sozinho, a construção de uma escola para crianças pobres de Senegal, além de contribuir para melhorias da própria cidade de Dakar. Também sozinho, construiu um hospital especializado em amputados para apoiar as vítimas da guerra de Sarajevo. Em Lima, no Peru, fez o "Palácio para os pobres", centro de ajuda para as crianças de rua, com alimentação, educação, cuidados médicos, roupas e abrigo. Para as vítimas do tsunami que atingiu a Ásia em 2004 foram US$10 milhões, a maior doação individual. Para a Fundação William J. Clinton, em prol de crianças com HIV, malária e pobreza foram mais US$5 milhões. Para as enchentes que alastraram a costa européia, mais US$1 milhão. Em meados de 90, adotou um cachorro vira-lata que vagava por Interlagos na época do Grande Prêmio do Brasil, isso muito antes de se engajar em campanhas em defesa dos animais. Mas vamos julga-lo por uma atitude errada (e punida) a 150 km/h quando ainda jovem e disputando um mundial, decidindo o que fazer em 0,23 segundos. Força, Schumacher!