terça-feira, 19 de agosto de 2014

FAMILIA DE GESTANTE DENUNCIA MORTE DE BEBÊ POR SUPOSTA NEGLIGÊNCIA DO HOSPITAL D. MOURA

Daniele Silvestre da Silva teria perdido o bebê antes de chegar a Caruaru (Foto: Reprodução/ TV Asa Branca)
Gestante de Jucati diz que veio para o Dom Moura, mas não teria sido atendida
O portal de notícias da Globo, em sua versão regional de Caruaru, publicou neste dia 18 dois casos onde gestantes perderam seus bebês por suposta negligência médica. Um caso se deu em Caruaru. Já o outro, aconteceu em Jucati. De acordo com o portal,  a gestante Daniele Silvestre foi levada ao Hospital Regional Dom Moura, em Garanhuns, mas não teria sido atendida. Depois, foi transferida para a Fusam [Caruaru], porém, o bebê havia morrido antes do procedimento cirúrgico, conforme denuncia a família.
 “O médico daqui ( de Caruaru) viu ela tão ruim que colocou no lugar de outras pacientes, para ver se salvava a menina. (…) Era para ela ter tido [a criança] de nove horas [da manhã], mas chegou duas horas da tarde aqui”, detalhou Rosa Silvestre, mãe da paciente. “Não conseguiram salvar a minha filha por negligência médica”, acrescentou Daniele Silvestre.

 Os dois casos também foram relatados por uma equipe de reportagem da TV Asa Branca nesta segunda-feira (18).  A assessoria de imprensa do Hospital Regional Dom Moura informou que a paciente de Jucati foi atendida na unidade, mas - até a exibição da reportagem - a administração aguardava a documentação dela para falar sobre o assunto.

O OUTRO CASO EM CARUARU
 O outro caso aconteceu em Caruaru, quando Jailda Antônia Maria, de 29 anos, grávida de nove meses, foi levada à Casa de Saúde Bom Jesus na sexta-feira (15), mas o parto não foi feito. “Examinaram ela, viram que estava tudo bem com o bebê, agora disseram assim: 'Ela só está com um centímetro, não é pra agora não. Vocês vão ter que voltar'”, afirmou a irmã da paciente, Eliane Antônia da Silva.

As dores permaneceram e a grávida voltou à maternidade no domingo (17), quando ficou constatado que o bebê não tinha batimentos cardíacos. Ela foi encaminhada para o Hospital Maternidade Jesus Nazareno, conhecido como Fusam, e a criança foi retirada. “Não tinha condição de ser parto normal. Tinha que ser cesárea”, reclamou Eliane. A mãe sobreviveu.

A informação é do G1 Caruaru