sábado, 6 de setembro de 2014

EDUARDO CAMPOS, EX_ GOVERNADOR DE PE, É UM DOS CITADOS NO LISTÃO DE POLITICOS DELETADOS POR EX_DIRETOR DA PETROBRAS À PF.

Eduardo Campos foi citado por Paulo Roberto Costa , ex-diretor da Petrobras

O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa delatou à Polícia Federal políticos que teriam recebido como propina parte do dinheiro de contratos da estatal com outras empresas. Além de parlamentares (deputados federais e senadores), Costa também teria mencionado governadores nos depoimentos. Diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras entre 2004 e 2012, Paulo Roberto Costa foi preso pela Polícia Federal durante as investigações da Operação Lava Jato, que revelou um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que teria movimentado cerca de R$ 10 bilhões.
Segundo o blog do Noblat, a edição da revista Veja que começou a circular neste sábado (06) traz o nome de vários políticos envolvidos com negócios sujos da Petrobras, entre eles o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que morreu no último dia 13 vítima de acidente aéreo.

CONFIRA LISTA
 
Edison Lobão, ministro das Minas e Energia

João Vaccari Neto, secretário nacional de finanças do PT

Henrique Eduardo Alves, presidente da Câmara dos Deputados

Renam Calheiros, presidente do Senado

Ciro Nogueira, senador e presidente nacional do PP

Romero Jucá, senador

Candido Vaccarezza, deputado federal do PT

João Pizzolatti, deputado federal do PT

Mario Negromonte, ex-ministro das Cidades

Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro

Roseana Sarney, governadora do Maranhão

Eduardo Campos, ex-governador de Pernambuco, morto no mês passado em um acidente aéreo



Paulo Roberto Costa fez um acordo de delação premiada. Os depoimentos de Costa à PF têm ocorrido diariamente, na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. A PF não revela o conteúdo dos depoimentos. Em troca de contar o que sabe, ele poderá obter benefício de redução da pena. O benefício, no entanto, só será assegurado se o Ministério Público concluir que Costa prestou informações detalhadas informações sobre os crimes cometidos, conexões da quadrilha e personagens envolvidos, além da apresentação de provas das revelações que ele fizer. Ao final, o acordo de delação premiada terá de ser homologado pela Justiça.

Fonte  - O Globo