Pular para o conteúdo principal

INCUBADORA PERNAMBUCO CRIATIVO VAI FOMENTAR AS DIVERSAS CADEIAS PRODUTIVAS DA CULTURA NO ESTADO

Costa Neto
Foi com a recepção calorosa do Maracatu Piaba de Ouro e das Orquestras Sinfônicas e de Frevo da UFPE que artistas, produtores e gestores culturais do estado presenciaram nesta terça-feira (16/9) a inauguração da Incubadora Pernambuco Criativo. Instalada em três salas do Centro de Convenções da UFPE, o espaço é fruto de uma parceria institucional firmada entre a Secretaria da Economia Criativa do MinC, a Fundarpe/Secult-PE e a Universidade Federal.
Patrícia Reis, uma das gestoras do equipamento, saudou os presentes destacando a missão da Incubadora: “fortalecer as diversas áreas culturais a partir de soluções locais, de técnicas e ferramentas que contribuam para a transformação e o desenvolvimento social”. Para o secretário estadual de Cultura Marcelo Canuto, “a Incubadora é um passo importante na política de formação cultural que está em curso no estado, seja através do Funcultura, seja por meio de oficinas e ciclos de capacitação que acontecem, por exemplo, durante as edições do Festival Pernambuco Nação Cultural”. Ressaltando alguns benefícios que a Incubadora trará a setores mais carentes de qualificação, como a cultura popular, o secretário destacou “a possibilidade dos grupos participarem de oficinas sobre elaboração de projetos, adquirirem conhecimentos sobre linhas de crédito e planejarem melhor suas atividades, como foco na sustentabilidade de suas ações”.
Também presente, o professor Edmilson Santos de Lima, reitor em exercício da UFPE, comemorou o fato desta ser a primeira incubadora de todo o País instalada em uma universidade. Segundo ele, “é motivo de alegria pois isto chama a atenção para o envolvimento que, cada vez mais, a produção acadêmica e a tecnologia precisam ter com a arte e a cultura, em todas as suas dimensões”.
Coube à Ministra da Cultura, Marta Suplicy, encerrar as saudações destacando que a Incubadora “tem o formato e dialoga com os sonhos da juventude do nosso tempo, onde a Cultura é parte intrínseca deste sonho. A grande contribuição que vamos deixar para os artistas é a possibilidade deles transformarem sua arte em algo que os sustente, o foco é ajudar quem tá querendo se formalizar, organizar sua atuação”, destacou.
A Incubadora Pernambuco Criativo ofertará aos agentes culturais cursos e consultorias em gestão, planejamento estratégico, assessoria contábil, jurídica e de comunicação, marketing, elaboração de projetos e captação de recursos e acompanhamento contínuo. Também sediará balcões de crédito, de formalização, assessoria jurídica e uma área compartilhada permanente de trabalho colaborativo.
A iniciativa faz parte da Rede de Incubadoras Brasil Criativo, programa da Secretaria da Economia Criativa do Ministério da Cultura, que conta com outras 7 incubadoras já inauguradas nos estados do Rio de Janeiro, Acre, Bahia, Mato Grosso, Pará, Goiás e Rio Grande do Norte. Outros 5 estados, até o final do ano, receberão novas incubadoras: Amazonas, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Economia Criativa em Pernambuco
Desde 2010 que a Economia Criativa é uma pauta de importância estratégica na gestão da Cultura em Pernambuco. Em 2011, com a criação da Secretaria de Cultura, as atividades relacionadas a este setor foram intensificadas, através de oficinas de formação em festivais e em fóruns de escutas setoriais (Projeto “Culturando a Economia em Pernambuco”). Em 2013, a Diretoria de Políticas Culturais da Secretaria de Cultura passa a conduzir as pautas ligadas a este campo.
As parcerias intersetoriais (com as linguagens do artesanato, literatura, cultura popular, moda e design, audiovisual) e institucionais (Secretarias da Mulher, de Desenvolvimento Econômico, do Trabalho, Qualificação e Empreendedorismo, Pontos de Cultura, Associações e Coletivos Culturais) passam a ser uma constante no quadro de ações da Coordenadoria. O objetivo é compartilhar valores simbólicos e oportunizar atividades que tenham focos semelhantes.
“Estamos inaugurando um espaço específico para este setor, para dar assessoria e consultoria aos empreendedores criativos que precisam de um suporte. Mas a política de Cultura em Pernambuco já vem trabalhando no sentido de fortalecer a economia da Cultura. Consolidamos o Funcultura, disponibilizando R$ 33,5 milhões anuais para a produção independente, realizamos dez festivais de cultura por ano, em todas as macro-regiões do estado, entre várias outras ações que melhoram as atividades de todos os setores da cultura no estado”, pontua o secretário Marcelo Canuto.
O presidente da Fundarpe Severino Pessoa aponta para os resultados que são fruto do investimento que o Governo do Estado vem fazendo na Cultura. “O exemplo que Pernambuco é hoje para o Brasil, principalmente em segmentos como a música e o audiovisual, é resultado deste investimento nas políticas públicas. Acreditamos que com esta incubadora estaremos dando ainda mais capacidade e poder para que a cadeia da cultura crie elos cada vez mais consistentes”, diz Severino Pessoa.
Rede Incubadoras Brasil Criativo
As Incubadoras são centros de inovação, empreendedorismo, formação, fomento e promoção de empreendimentos do campo da economia criativa. São espaços de convívio e interação multissetorial entre empreendedores e multi-institucional que reúne governos, bancos, universidades, Sistema S e sociedade civil, promovendo o compartilhamento de experiências e fortalecimento de redes e coletivos.
Em sua primeira fase, a Rede Incubadoras Brasil Criativo estará presente em 13 estados: Acre, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e no Distrito Federal, um total de 14 incubadoras. O programa conta com investimentos de R$ 40 milhões e tem como princípios norteadores a diversidade cultural e a inclusão social.
As Incubadoras Brasil Criativo ofertam aos agentes culturais cursos e consultorias, planejamento estratégico, assessoria contábil, jurídica e de comunicação, marketing, elaboração de projetos e captação de recursos, e acompanhamento contínuo. Também sediam balcões de crédito, formalização, formação técnica e assessoria jurídica e uma área compartilhada permanente de trabalho colaborativo. As atividades serão desenvolvidas por equipes locais, em diálogo com as potencialidades e vocações culturais de cada região.
São parceiros do programa, dentre outras instituições, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Ministério da Educação, Ministério do Turismo, as secretarias estaduais e municipais de Cultura, secretarias de Desenvolvimento Econômico, SEBRAE, SENAC, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e universidades.