terça-feira, 30 de dezembro de 2014

MEU CARO IZAÍAS


        Transcrevo abaixo uma notícia publicada no ”Estado de São Paulo” de ontem (29/12), sobre novas inscrições para a autorização de funcionamento de novas escolas de medicina no país. Como se vê pelo texto, resta comprovada a confessada má vontade e verdadeira indisposição dos Ministérios da Educação e Saúde para com a FAMEG.

        Assistimos, há poucos dias, declaração do Sr. Ministro da Saúde, um Sr. Chioro, que além da evidente má vontade, admite que é um péssimo aluno de Geografia, na medida em que coloca a autorização para uma escola em JABOATÃO como objetivo de INTERIORIZAÇÃO na formação de novos médicos, como preconiza o programa Federal “Mais Médicos”.

             Mais uma vez, a nota conjunta dos dois Ministérios, ambos ocupados por ministros petistas, a despeito de afirmarem: “A ÊNFASE, NA NOVA ETAPA, SERÁ PARA CIDADES NAS REGIÕES NORTE E NORDESTE”, a autorização anunciada não refere uma só escola acima da Bahia. Quando eu falo em “ministros petistas” não é com intenção de partidarizar a questão, simplesmente traduz uma realidade que você próprio bem sabe, pois, até hoje, o único PETISTA que lutou muito desde o começo e ainda luta pela FAMEG é o nosso amigo Fernando Ferro, mesmo sem o apoio de um só companheiro seu e ainda contando com enorme e assumida resistência de Mozart Sales, Secretário do Ministério da Saúde.

          Eu mesmo, e é do conhecimento de todos pois usei as redes sociais, cobrei mais de uma vez uma tomada de posição dos nossos companheiros do PT de Garanhuns que, com cara de paisagem, ignoraram essa convocação e nunca deram uma só palavra em defesa dos interesses de Garanhuns.
Observe, Izaias, que mesmo assim a nota ainda refere:

            O Secretário Heider Pinto informou que um novo chamamento público terá início no primeiro trimestre de 2015, com escolha de novas cidades candidatas a sediar cursos. "A ÊNFASE, NA NOVA ETAPA, SERÁ PARA CIDADES NAS REGIÕES NORTE E NORDESTE."

“MAIS ESCOLAS DE MEDICINA
BRASÍLIA - Os ministérios da Saúde e da Educação abriram nesta segunda-feira, 29, as inscrições para apresentação de propostas para abertura de novos cursos de Medicina em 39 municípios considerados prioritários pelo governo federal. Instituições de ensino e mantenedoras têm até 23 de janeiro para apresentar suas propostas. O resultado final deverá ser divulgado em junho.

                "A expectativa é a de que sejam criadas cerca de 2.300 vagas nesta etapa", afirmou o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Heider Pinto. A ampliação do número de vagas de Medicina é um dos braços do programa Mais Médicos. A meta é chegar em 2018 com 11,5 mil vagas a mais de graduação Critérios. Das 39 cidades escolhidas para abrigar novos cursos de medicina nesta primeira fase, 14 estão concentradas no Estado de São Paulo. Há apenas duas cidades na Região Norte. (COMO SE VÊ, O NORDESTE, ZERO)

               O secretário atribuiu a concentração no Sudeste ao formato do edital para escolha das cidades. (ESPERE AÍ, DR. SECRETÁRIO: E QUEM FEZ O EDITAL?) As candidatas não podiam ser capital de Estado, mas tinham de apresentar pelo menos um hospital com 100 leitos e deveriam ter pelo menos 70 mil habitantes. "Isso já limita a escolha. A ideia agora é tentar, no próximo edital, trabalhar com regiões", disse. Uma das alternativas estudadas, de acordo com o secretário, é considerar não o número de leitos de apenas um hospital, mas de uma rede pública da cidade. A estratégia de ampliação de vagas para o curso estabelece condicionantes para instituições e mantenedoras interessadas em participar da iniciativa.

                  Elas têm, por exemplo, de fazer investimentos na rede de saúde da região do novo curso e a ofertar residência médica. Entre os quesitos que serão avaliados para interessadas estão as condições financeiras da instituição, a nota no Ministério da Educação de cursos que já estejam em funcionamento e o volume de adesão ao FIES e ProUni. Além analisar a proposta do curso, equipes do MEC deverão visitar a instituição, para verificar se há de fato condições para que ela possa abrir um curso de medicina.

             Somente podem participar do processo seletivo mantenedoras legalmente constituídas e que tenham pelo menos uma instituição de ensino credenciada. Das cidades consideradas prioritárias, 6 estão na Bahia, 4 em Minas, 2 no Rio, 4 no Paraná. Até o momento, foram autorizadas a criação de 4.393 vagas de graduação de medicina. De acordo com ministério, o Brasil conta com 21.674 vagas autorizadas para cursos de Medicina.”

                  Dessa forma fica muito claro que Garanhuns inteiro precisa se posicionar e a liderança desse movimento deve ser sua, na condição de Supremo Mandatário do Município, legitimado pelas urnas de 2012. O primeiro semestre de 2015 já está perdido, mas podemos lutar pela nova inscrição que se anuncia.

                 O seu Partido está na base de apoio ao Governo federal, reforçada pela presença do Ministro Armando Neto no comando de uma pasta importante. É hora de convocar-se uma unidade política, congregando todos os segmentos dos MUNICÍPIOS DA REGIÃO(!), utilizar os meios de divulgação necessários, pressionar na medida do possível todas alçadas do Poder e garantir essa conquista como forte instrumento de desenvolvimento mediante a geração de emprego e renda e crescimento cultural.

            Enfim, estruturar uma bela campanha, botar o bloco na rua, prefeito, e pode contar comigo para carregar bandeiras.

texto: Dr. Ivan Rodrigues
foto: Google