sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

CORONEL CAMPOS DEIXA CARGO À DISPOSIÇÃO DO GOVERNO DO ESTADO




                    Marcos Campos de Albuquerque, nomeado há dois meses e pela segunda vez na carreira comandante do 9º BPM em Garanhuns, colocou o cargo à disposição. Em entrevista à Rádio Jornal na manhã de quinta-feira (19/02), o coronel Campos não teceu maiores detalhes sobre a decisão e deixou escapar que o motivo seria forte pressão política por parte de algum ou alguns políticos do Agreste Meridional incomodados com sua presença à frente do Nono BPM e por isso pediram sua cabeça ao governador e ao Comandante Geral da Polícia. 

                    Extremamente indignado com a politicagem permeando os assuntos da segurança pública do Agreste Meridional, Campos se antecipou e colocou o cargo à disposição, ficando a decisão por conta do seu superior imediato que é o Comandante Geral da PM. "A decisão é do Comandante Geral. Eu sou apenas um soldado e sou subordinado a ele e ao governador, homens a quem eu tenho muita admiração. Coloquei meu cargo à disposição, mas o Comandante Geral me pediu que esperasse até março para dar uma palavra final e é isso que eu farei" assinalou Campos.

            Durante a entrevista o jovem e promissor militar de 48 anos, teve o cuidado de  isentar o prefeito Izaías Régis de qualquer correlação com sua possível saída da direção do 9º BPM. Segundo ele, seriam políticos do Agreste Meridional, mas não de Garanhuns, que estariam “incomodados”. 

              O coronel Campos é natural de Bom Conselho e nas eleições de 2014 disputou uma vaga na Câmara Federal, obtendo 14.476 votos. . Foi nomeado para o cargo de comandante do 9º BPM no início de janeiro pela segunda vez em Garanhuns e já esteve a frente dos batalhões da PM em Arcoverde e Caruaru. 


CONOSCO: A podre “Politicagem barata e sem escrúpulos” que tenta dominar a região e interferir, também, nos destinos da própria segurança pública do Agreste Meridional, escolhendo quem assume e quem é exonerado dos batalhões, nos indignam. Assuntos que envolvam a segurança dos cidadãos deveriam se pautar sempre pelo aspecto técnico-profissional e jamais político. Infelizmente nomes não foram citados, mas o povo, que escolheu esses “poderosos” deveriam saber de tais fatos na íntegra porque a ele, o povo, cabe o julgamento final e sua decisão de voto. 
"Afinal, o poder do povo emana e não de alguma meia dúzia de inescrupulosos que fazem parte dessa politicagem que parece voltar, inclusive, à época da “hereditariedade”".

             Não somos bois, nem somos cabresteados. A nós fica o verdadeiro poder que se chama VOTO.


foto: oargonautabc