quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

ERA UMA CASA MUITO ENGRAÇADA NÃO TINHA PAREDE, NÃO TINHA NADA...???



         

Edifício ainda tem buracos que não foram finalizados. Foto: BlogImagem
Edifício ainda tem buracos que não foram finalizados. Foto: BlogImagem


  Inaugurado há 20 dias pelo presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), Guilherme Uchoa (PDT), o edifício Deputado João Negromonte, que abrigará os novos gabinetes dos 49 deputados estaduais, continua sem uma das paredes laterias e com obras por serem concluídas.

Andaime mostra que prédio continua em obras. Foto: BlogImagem

              O novo prédio, que fica na Rua da União, custou R$ 37 milhões ao Legislativo estadual e a promessa era que os deputados passassem a despachar dos novos gabinetes a partir deste domingo (22).

           Nesta quarta-feira (18), o prédio ainda tem um dos lados totalmente exposto pela falta de uma parede do lado esquerdo. No direito, há buracos que não foram fechados na estrutura e um andaime mostra que as obras ainda estão em andamento.

        No final de janeiro, quando o edifício foi inaugurado, o Blog de Jamildo mostrou as deficiências do prédio, que incluía também elevadores sem portas, falta de janelas e instalações elétricas não concluídas.

                    Como a legislação pernambucana proíbe a inauguração de obras inacabadas, o presidente da Alepe Guilherme Uchoa disse, na ocasião, que tiraria a placa de inauguração.

                 Realizada dois dias antes da votação que o reelegeu presidente do Legislativo estadual, a solenidade foi justificada por Uchoa para que o ex-deputado Gustavo Negromonte, filho de João Negromonte, pudesse participar. Ele não foi reeleito e perdeu o mandato no dia seguinte.

              Ao lado dos gabinetes, a Assembleia também está construindo um novo plenário, que levará o nome do ex-governador Miguel Arraes. A previsão era que ele saísse em julho deste ano. As duas obras são as principais vitrines da gestão de Uchoa.

             Além dos 49 gabinetes, o prédio vai concentrar a Presidência, as lideranças do Governo e da Oposição e um auditório, cujo projeto ainda está em andamento.

           O edifício Nilo Coelho, onde hoje estão os gabinetes, ficará dedicado aos setores administrativos da Casa.