sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

SEM TETO OCUPAM TERRENO LOCALIZADO NO SANTUÁRIO MÃE RAINHA EM GARANHUNS



             Cerca de 400 famílias de sem-teto voltaram a ocupar um terreno de 370.240 metros localizado próximo ao Santuário Mãe Rainha em Garanhuns e pertencente aos herdeiros de José Maurício da Silva Filho. O movimento é realizado pela Associação Luta Pela Terra recebendo o nome  " Ocupação Canaã".  O local já havia sido invadido pelo mesmo grupo em abril de 2014 que resultou na expulsão das  famílias que foram retiradas pela PM em 10 de dezembro no ano passado. A ação teve o acompanhamento do Ministério Público. Entretanto, o impasse continua. 


           Segundo os desalojados, os compromissos prometidos pelas autoridades afrente do episódio   não foram cumpridos. "Nos prometeram que não derrubariam nada e nos dariam pelo meseguinte à desocupação,  uma máquina pôs abaixo 12 casas que haviam sido erguidas no local. Disseram que algumas famílias iriam para um abrigo até a situação ser resolvida, mas uma mulher foi despejada com seus humildes móveis no meio da rua, disse uma integrante do movimento"

 Em entrevista à Rádio Jornal final do ano passado, a secretária de Assistência Social de Garanhuns , Célia Sobral, afirmou que a prefeitura está realizando o acompanhamento das famílias e que elas serão incluídas em futuros programas de moradia coordenados pelo município. "Quase todas as famílias recebem remuneração oriunda de programas sociais do Governo Federal. Algumas ganham 300 reais e com esse dinheiro muitos podem pagar um aluguel. Para aqueles que não tem condições estamos empenhados em encontrar uma solução para o problema juntamente com o Ministério Público",  frisou a secretária.


        Ocupantes da Canaã  estão dispostas a lutar por um objetivo maior que é ter um teto para chamar de seu. A intenção dessa nova invasão, segundo seu líderes, é pacífica e pretende estabelecer o diálogo com o Município e o Governo do Estado para que um dos dois entes federativos intermedeie uma negociação entre os sem-teto e os proprietários das terras.  "Uma de nossas principais reivindicações  é no sentido de que o prefeito se disponha negociar todo o terreno e o repasse em lotes às famílias. Não queremos tomar terras de ninguém. Estamos dispostos até a pagar uma prestação fixa por mês ao proprietário ou ao poder público, se for o caso, para que possamos exercer o direito a uma necessidade básica do ser humano que é ter uma casa para morar" disse uma integrante da ocupação com a qual nossa reportagem conversou.

                   A nova ocupação das terras próximas do Sítio Queimadas, que é o verdadeiro nome do lugar, iniciou-se no dia 25 de janeiro de 2015 e já dura 10 dias. Os proprietários entraram com um novo pedido de reintegração de posse e o juiz titular da 2ª Vara Cível da Comarca de Garanhuns, Márcio Tomaz Bastos, concedeu liminar favorável aos donos e determinou ao 9º BPM que, em data ainda a ser marcada, cumpra o mandado de desocupação do terreno, O magistrado ainda enfatizou na liminar que aqueles que forem identificados como tendo feito parte da reintegração anterior, ocorrida em 08 de dezembro de 2014, sejam autuados em flagrante por desobediência. "Não estamos sozinho nessa luta. Lideres de outras regiões e até de outros estados estão dispostos a nos ajudar, caso haja prisões. Não somos marginais para sermos presos e julgados como bandidos, por isso nossa luta não pode ser tratada como caso de polícia. Se a questão não for resolvida no município iremos ao Governo do Estado e, se preciso for, marcharemos até Brasília", concluiu um integrante da Ocupação Canaã.

fotos V&C