terça-feira, 10 de março de 2015

HEMOPE GARANHUNS HOMENAGEOU MULHERES DOADORAS






No dia de GARANHUNS, o HEMOPE local fez uma linda homenagem às mulheres doadoras de sangue. O animado encontro ocorreu no Parque Ruber Van Der Linder e contou com a participação da Orquestra Manoel Rabelo e representantes de várias entidades municipais.

      Com a finalidade de agradecer as doadoras e sensibilizar a população desse importante ato, o HEMOPE ofereceu rosas(porque toda mulher gosta de rosas) e um delicioso bolo foi cortado em homenagem ao dia da eterna noiva do mundo: Garanhuns.

Promotoras dos produtos Mary Kay fizeram demonstração, limpeza de pele e maquiagem deixando ainda mais belas as mulheres que  doam sangue pela vida.

Procedimentos para ser doar(a)

Todos os procedimentos médicos que demandam transfusão de sangue precisam dispor de um fornecimento regular e seguro deste elemento. Daí a importância de se manter sempre abastecidos os bancos de sangue por meio das doações, que não engrossam nem afinam o sangue do doador. É fácil e seguro, e não se pode mentir nem omitir informações, pois quem recebe o sangue pode ser contaminado.

Doar sangue é um procedimento simples, rápido, sigiloso e seguro. Para o doador em geral não há riscos, porém algumas complicações podem eventualmente aparecer:

queda de pressão e tontura;
hematoma no local da picada;
náusea e vômito;
dor local e dificuldade para movimentação do braço;
desmaios.

Quem pode doar

No Brasil, qualquer pessoa poderá doar sangue, desde que sejam observadas algumas condições, a fim de garantir a segurança e a qualidade do procedimento:
Ter entre 16 e 67 anos, 11 meses e 29 dias(doadores entre 16 e 17 anos com consentimento formal do responsável legal)
Ter peso acima de 50 kg
Se homem, não pode ter doado há menos de 60 (90) dias
Se mulher, não pode ter doado há menos de 90 (120) dias
Ter passado pelo menos três meses de parto ou aborto
Não estar grávida
Não estar amamentando criança menor de 12 meses
Estar alimentado e com intervalo mínimo de duas horas do almoço
Ter dormido pelo menos seis horas das 24h que antecedem a doação
Não ter feito tatuagem, piercing ou acupuntura há menos de um ano
Não ter recebido transfusão de sangue ou hemoderivados a menos de um ano
Não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas que antecedem a doação
Não ser usuário de drogas
Não ser portador de doenças infectocontagiosas como sífilis, doença de chagas e HIV (I ou II)
Quem não deve doar
Não devem doar sangue as pessoas que se enquadrarem em uma das condições abaixo:
Por segurança se:

Alguma vez utilizou drogas por via endovenosa;
Faz uso regular de medicamentos controlados;
Sendo homem ou mulher, teve contactos sexuais com múltiplos(as) parceiros(as) ocasionais ou eventuais sem uso de preservativo.
Se o seu parceiro sexual:

É soropositivo, ou seja, se é portador do Vírus de Imunodeficiência Humana – VIH (HIV);
Ou portador crônico do Vírus da Hepatite B e Hepatite C – VHB, VHC.

Ou ainda se:
Fez endoscopia nos últimos 6 meses;
Fez tatuagem ou piercing nos últimos 12 meses;
Fez transfusão;
Fez transplante de córnea ou dura-máter;
Fez tratamento com hormônio de crescimento, pituitária ou gonadotrofina de origem humana;
Foi operado nos últimos 6 meses;
Teve câncer (inclusive leucemia). Antecedentes de carcinoma in situ da cérvix uterina e de carcinoma basocelular de pele não impedem a doação de sangue 1
Tem Epilepsia, Diabetes insulino-dependente ou Hipertensão grave;
Tem história familiar de Doença de Creutzfeldt-Jakob e variante – DCJ, vDCJ;
Teve Paludismo/Malária nos últimos 3 anos;
Teve parto nos últimos 6 meses;
Teve um(a) novo(a) parceiro(a) sexual nos últimos 6 meses
Procedimentos

A coleta de sangue para doação consiste na retirada de cerca de 450ml de sangue, através do uso de material descartável, de uso único e estéril. O tempo de permanência do doador no Banco de Sangue, incluindo coleta e triagem, é de aproximadamente 12 minutos.

No Brasil, o Ministério da Saúde exige a realização de alguns procedimentos específicos antes e depois da doação, a fim de prevenir complicações para o doador e contaminação para o receptor durante o período de janela imunológica de doenças.

Antes da doação, o candidato irá passar por uma entrevista de triagem clínica, na qual podem ser detectadas algumas condições adicionais que possam impedir a doação. Após cada doação serão realizados os seguintes exames no sangue coletado:

tipagem sanguínea ABO e Rh;
pesquisa de anticorpos eritrocitários irregulares (PAI);
Teste de Coombs Directo;
fenotipagem do Sistema Rh (D,C,E.c,e), fenotipagem de outros sistemas;
testes sorológicos para: Hepatite B, Hepatite C, Doença de Chagas, Sífilis, HIV (AIDS), HTLV I/II.
Esse procedimento se repetirá após cada doação e os resultados serão comunicados ao doador.
Cuidados após a doação de sangue
Permanecer pelo menos 15 minutos no local após a doação para observação;
Não fumar na 1ª hora após a doação;
Tomar bastante líquidos (ex.: água, suco, chá);
Evitar atividades físicas vigorosas ou que coloquem em risco a sua segurança e a de outros nas próximas 12 horas;
Evitar utilizar intensamente o braço onde foi realizada a punção;
Comunicar o Serviço de Hemoterapia caso você queira informar algo que omitiu na entrevista ou achar que seu sangue pode ser prejudicial a outra pessoa;
Procurar o Serviço de Hemoterapia caso apresente qualquer problema que você ache que possa estar relacionado com a doação;
Respeitar o intervalo mínimo entre as doações: 2 meses para o homem e 4 meses para a mulher;
Maior doador de sangue
O catarinense Orestes Golanovski foi reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como o Maior doador de sangue do Brasil, entrando em 2011 para o RankBrasil – Recordes Brasileiros. Até junho de 2006, ele já havia feito 187 doações. O recordista doou sangue até completar 65 anos, idade limite para a ação solidária.