quinta-feira, 21 de maio de 2015

PROFESSORES E SERVIDORES DA UPE REALIZAM PARALISAÇÃO DE ADVERTÊNCIA DE 24 HORAS


Professores e servidores do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), do Pronto-Socorro Cardiológico de Pernambuco (Procape) e do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), todos ligados à Universidade de Pernambuco (UPE), realizam uma paralisação de advertência de 24 horas nesta quarta-feira (20). Os trabalhadores suspenderam os atendimentos dos ambulatórios e das farmácias. Por conta disso, não houve atendimento à população. 

Os funcionários denunciaram os problemas de déficit de pessoal, infraestrutura precária no atendimento ao público e o plano de contigenciamento de gastos do Governo do Estado, que, segundo os profissionais, determina cortes dos recursos da UPE e de outros órgãos governamentais.

Por volta das 10h, os servidores realizaram uma passeata com saída do Huoc, no bairro de Santo Amaro. Eles chegaram ao Palácio do Campo das Princesas, no bairro de Santo Antônio, na área Central do Recife, cerca de uma hora depois. Por conta disso, o tráfego de veículos ficou bastante complicado na área. A Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) orientou os motoristas.

Pouco tempo após a chegada, a categoria foi recebida por representantes do Governo do Estado. Segundo o presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UPE, Elvis Arruda, a reunião, que durou cerca de uma hora e meia, foi positiva. "O acordo que firmamos com o Governo foi produtivo. Foi garantido o orçamento que sempre tivemos, sem cortes, além de um acréscimo e de mais um valor destinado ao custeamento das obras dos campi Caruaru e Serra Talhada", revelou Arruda.

Ainda segundo ele, os serviços nos hospitais serão retomados na quinta-feira (21). "Estamos na paralisação de advertência, mas amanhã o serviço será normalizado. Vamos repassar todo os detalhes da reunião de hoje aos servidores", revelou o presidente do DCE da UPE, que informou que, na próxima semana, acontecerá uma nova reunião para aprofundar o acordo.

Em nota, a assessoria de imprensa do Governo de Pernambuco se posicionou sobre o caso. Confira trecho: "Ao contrário do que vem sendo amplamente divulgado, não há nenhum corte na verba de custeio previsto para o exercício de 2015. Na verdade, em relação ao ano de 2014, há um aumento de mais de R$ 600 mil na verba de custeio da Universidade de Pernambuco (UPE).

Somando aos investimentos previstos, na ordem de R$ 4,4 milhões que inclui a construção das unidades de Serra Talhada e Caruaru, a UPE receberá em 2015 um total de R$ 28,4 milhões. Um nível superior ao ano passado.

Para solucionar o problema de falta de professores em unidades da UPE, o Governo Estadual já autorizou, neste primeiro semestre, concurso para contratação de mais de 100 profissionais de educação superior."

Fonte: Folha de Pernambuco

Foto: Folha PE