sábado, 13 de junho de 2015

AGORA É OFICIAL: “BR 232 CONTARÁ COM COBRANÇA DE PEDÁGIO”, DIZ GOVERNADOR PAULO CÂMARA


O governador de Pernambuco, Paulo câmara (PSB), disse ontem, 12 de junho em Recife que a BR 232, rodovia federal que liga a capital até a cidade de São Caetano, interior do estado, passará a contar em breve com cobrança de pedágio. A implantação da rodovia no pacote de concessões do governo federal, visando duplicação do trecho entre São Caetano e Cruzeiro do Nordeste, foi segundo Paulo, o fator responsável por instalar tal medida (pedágio). Em entrevista, o governador isentou sua administração, colocando na gestão da Presidente Dilma Rousseff (PT), toda a carga de responsabilidade.

PEDÁGIO NA BR 232 - “A 232 é uma BR e a partir do momento em que a União decide pela concessão a rodovia passa por um processo de devolução. O processo de concessão engloba uma retribuição financeira de quem vai fazer o processo de concessão. Isso vai passar pelo PMI (Procedimento de Manifestação de Interesse), mas a tendência, sem dúvida nenhuma, é ter um pedágio”, afirmou o governador.

DUPLICAÇÃO ATÉ CRUZEIRO DO NORDESTE - Promessa de campanha, a duplicação da BR 232 tinha em seu projeto inicial, a cidade de Arcoverde como ponto final. Entretanto ao anunciar sua participação no pacote de concessões do governo federal, semana passada, o governo do estado estendeu um pouco mais duplicação, chegando ela agora até Cruzeiro do Nordeste, cidade distante 30 quilômetros da capital do São João (Arcoverde). Apesar da viabilidade, a duplicação parece destoar do que se pretendia lá atrás, no início de seu planejamento. A privatização, que não era esperada quase que pela maioria da população, é vista com certa e notável preocupação, isso em todo as as esferas.


Uma coisa é certa, a inclusão da BR no pacote de concessões do governo federal é uma das alternativas mais viáveis para que o governador consiga honrar seu compromisso de campanha, pois o aporte de recursos privados facilitará as obras de expansão da rodovia.

Ainda sobre a duplicação, Paulo reforçou a necessidade de recuperação do trecho que vai de Recife até Caruaru, citando ainda a briga que tramita na esfera judicial por parte do governo e do consócio, criado naquela época para duplicação. Para o governo estadual, os problemas de drenagem que têm acarretados fissuras na extensão da rodovia são responsabilidade das construtoras. “Todo esse processo está judicializado porque foram verificados erros construtivos”, disse Paulo.

Fonte: Blog do Gidi Santos