sexta-feira, 7 de agosto de 2015

POPULAÇÃO DO AGRESTE MERIDIONAL RESPONSABILIZA O GOVERNADOR PELA VIOLÊNCIA

               
 
              Prefeitos, vereadores, secretários municipais, o deputado estadual Álvaro Porto e cerca de 1.500 populares participaram da prestigiada audiência pública realizada em Canhotinho, a 42 km de Garanhuns, para debater a violência que cresce a cada dia no Agreste Meridional de Pernambuco.

                Durante o encontro foram mostrados números do balanço doPacto pela Vida, que assombram a população. A violência na região de Garanhuns aumentou 200% em relação ao ano passado e no primeiro semestre do ano já foram praticados 90 homicídios nos municípios do Agreste Meridional.

                O quadro é tão grave que o prefeito de Canhotinho, Felipe Porto, decretou estado de emergência no município por conta dos problemas da criminalidade. Durante a audiência, populares seguravam faixas de protesto contra a situação. “Governador, quando voltaremos a ter sossego?”, cobrava um popular numa delas.


                   O deputado Álvaro Porto disse que toda discussão realizada durante o fórum de Canhotinho será transformada num documento que será entregue ao Secretário de Defesa, Alessando Carvalho. Também um abaixo-assinado dos que foram ao ato, realizado no Clube Municipal, chegará às mãos do representante do Governo.

                "O governo será informado sobre o que ocorreu aqui. E vamos continuar denunciando e cobrando soluções. Estamos vivendo uma situação de descontrole que é agravada pela falta de estrutura das Polícias. É impossível uma viatura dispor de apenas R$ 500 de combustível por mês", questionou Álvaro Porto.

               DELEGADOS - A situação é tão grave nas 21 cidades ligadas à 18ª seccional da Polícia Civil de Garanhuns que atualmente apenas quatro delegados atuam na área. O comandante do 9º Batalhão da PM de Garanhuns, coronel Ely Jobson, que esteve na reunião, informou que conta com apenas 546 homens, quando o número previsto para o destacamento é 731. Ou seja, uma defasagem de 185 policiais militares.


                  Além do deputado Álvaro Porto, principal mentor da reunião, estavam presentes em Canhotinho os prefeitos Marcos Calado, de Angelim; Agnaldo Inácio, de Jurema; Rossine Blesmann, de Lajedo, e Genaldi Ferreira, de São João.  A audiência contou ainda com as presenças do promotor de Justiça de Canhotinho, Romualdo França; do juiz do município, Marcus Vinícius; do primeiro-secretário do Sindicado dos Policiais Civis, Artur Pedro Barbosa e do delegado Heliantos Bezerra que representou a 18ª seccional de Garanhuns.


Fato e foto por Roberto Almeida