sábado, 16 de janeiro de 2016

CARTA ABERTA AO POVO DE GARANHUNS. Por Rosa Quidute – Vice-prefeita de Garanhuns.



          ’Quero compartilhar com todos os garanhuenses os momentos de alegria e de angustia que vivi ao assumir a Prefeitura de Garanhuns no período de 27 de dezembro de 2015 a 11 de janeiro de 2016. Foi um período curto, é verdade, mas suficiente para mostrarmos o nosso compromisso com a verdade e com o povo de Garanhuns.

          Alegria por poder abrir o Gabinete do Prefeito para a população. Recebemos líderes comunitários, religiosos, políticos, enfim, pessoas simples, que com o seu suor constroem a nossa Garanhuns. Alegria por ter enviado o Projeto de Lei a Câmara Municipal visando à criação do segundo Conselho Tutelar do Município, já que uma Decisão Judicial e a Legislação vigente dão suporte a essa iniciativa. Mas, sobretudo, fiquei feliz por poder convocar os Concursados. Cidadãos que estudaram, que se esforçaram, ficaram privados de horas de lazer e de convívio familiar para conquistar o tão sonhado emprego público e que por consequência mereciam ser convocados para desempenhar as suas funções. Fiquei muito feliz por todas essas ações.

          Mas também fiquei triste e acredito que muitos garanhuenses também ficaram por conta dos fatos que marcaram a nossa Gestão em Exercício. Fui desrespeitada, não apenas como Prefeita, mas também como Cidadã. Os atos de insubordinação do Secretário de Administração de Garanhuns, que atendendo a ordens do Prefeito Izaías Régis, deixou de atender as nossas solicitações no tocante a confecção das Portarias de nomeação dos Concursados, me remeteram a momentos de muita angústia.

           Como não tinha auxiliares para confeccionar os documentos, bem como analisar as suas particularidades, usei uma das Portarias já assinadas pelo Prefeito Izaías Régis como modelo; fiz um estudo detalhado dos Candidatados que já haviam sido convocados e da Portaria de Homologação do Concurso, bem como me preocupei em apurar os índices da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF- imagem abaixo), que em outubro de 2015, estavam em 49,14%, portanto, bem abaixo do Limite Prudencial de 51,3% previstos pela LRF. Trabalhei com responsabilidade, pois minha história de vida mostra que sou assim. Não deixei de exercer o meu papel de Prefeita, legalmente me conferido pela Constituição Federal e pela Lei Orgânica do Município. Por fim, tive que convidar os Concursados para entregar-lhes as Portarias e assim validar o meu ato, pois não pudemos como Prefeita, publicar a documentação no Diário Oficial dos Municípios (AMUPE), noutra forma de desrespeito ao cargo de Prefeita.

               A minha tristeza se amplia diante das posições do Prefeito Izaías Régis, que ao retornar “ao território brasileiro” considerou normal a forma como fui tratada por “sua equipe” e se posicionou como se Garanhuns fosse uma das suas propriedades, assim como fiquei triste diante da afirmação do Prefeito de que Eu não deveria ter feito nada durante a minha Gestão, me resguardando apenas a figurar como a Prefeita em Exercício, imóvel, inócua e improdutiva. Mas, isso, Prefeito, eu nunca farei!

             Mesmo observando que os meus atos hoje são anulados pelo prazer do orgulho, da arrogância e da prepotência do Prefeito Izaías Régis, me sinto realizada, pois conseguimos despertar nesse Governo que desrespeita as pessoas, a necessidade de viabilizar as 186 convocações dos concursados. O Prefeito pode até apagar o nosso nome das Portarias, mas não da consciência das pessoas o nosso esforço, contra tudo e contra todos, para convocar os concursados e ser a Prefeita que Garanhuns merece ter, mesmo que por um curto período.

            Agradeço a todos que nos ajudaram nessa caminhada. Perdoo aqueles que colocam as ordens superiores acima da ética profissional e me congratulo com os cidadãos de Garanhuns, sempre vislumbrando um futuro melhor para a nossa Cidade.”


Um abraço fraterno em todos.
Rosa Quidute
Vice-prefeita de Garanhuns.