quarta-feira, 1 de junho de 2016

CONCURSO PMPE: CANDIDATOS IRÃO AO MINISTÉRIO PÚBLICO ENTREGAR DENÚNCIA DE FRAUDES NO CONCURSO DA PMPE

         
Candidatos na Praça do Derby - dia 31/06 - foto Michelle Siqueira
 Concurseiros que realizaram o certame para Soldado da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE), no último domingo vão se reunir em protesto nesta terça-feira às 14h, na Praça do Derby. 

          Eles pedem a anulação da prova, alegando uma série de fraudes. Pelas redes sociais, candidatos denunciam atrasos para o ínicio da prova, questões com erros de ortografia e com conteúdos não especificados no edital, além do esquema de uso de pontos eletrônicos. A fraude foi desarticulada pelo Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil, quando 13 pessoas, incluindo professores concursandos, foram presas.

        No Facebook, num grupo intitulado "Justiça contra a fraude no concurso da PM", usuários denunciam o uso de pontos eletrônicos por parte dos candidatos, além da conivência dos fiscais de prova. "Na minha sala tinha 3 candidatos com ponto eletrônicos no ouvido o fiscal viu e não fez nada, ou seja muitos dos fiscais também estão envolvidos diretamente nessa quadrilha de bandidos", publicou um usuário. 


Na manhã desta segunda-feira a Secretaria de Defesa Social (SDS) divulgou uma nota desmentindo o cancelamento do concurso. No documento, a pasta desmente um material que estaria sendo divulgado como sendo uma nota oficial do Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (IAUPE/CONUPE).

FONTE: Diário de Pernambuco

Por meio das redes sociais e do aplicativo WhatsApp, candidatos que participaram da primeira etapa do concurso da Polícia Militar de Pernambuco organizam um protesto para discutir supostas irregularidades na fiscalização e até fraudes registradas em vários prédios onde as provas foram aplicadas. 

Em depoimentos, candidatos relataram que algumas pessoas conseguiram entrar com aparelhos celulares nas salas e teriam tido acesso aos gabaritos. Outros contaram que houve atraso para abertura dos portões, o que prejudicou o início das provas. Há ainda relatos de que