terça-feira, 21 de junho de 2016

POLÍCIA FEDERAL PRENDE QUADRILHA QUE COMPROU JATO QUE MATOU EDUARDO CAMPOS EM SÃO PAULO




         O jato que matou o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), foi comprado por empresas envolvidas em esquemas de lavagem de dinheiro e que movimentaram desde 2010 uma quantia superior a R$ 600 milhões de reais.

         Numa operação deflagrada hoje, denominada de "Turbulência,  a Polícia Federal cumpriu 60 mandatos judiciais, a maioria em Pernambuco, em municípios como Jaboatão, Moreno, Paulista, Vitória de Santo Antão e Lagoa de Itaenga.

        A operação envolveu 200 policiais federais, que atuaram também no Recife, em bairros como Boa Viagem, Espinheiro, Cordeiro, Alto Santa Terezinha, Ibura, Pina e no Aeroporto Internacional dos Guararapes.

         FACHADA - Segundo a Polícia Federal, muitas das empresas envolvidas no negócio sujo eram de fachada, operadas por laranjas, e que realizavam transações financeiras entre si, além de atuarem conjuntamente com outras empresas fantasmas, incluindo algumas investigadas pela Operação Lava Jato.

            Os agentes suspeitam que as contas dessas empresas suspeitas eram utilizadas para o pagamento de propinas a políticos e a formação de caixa dois por empreiteiras.

          O trabalho policial foi iniciado depois que agentes da PF encontraram movimentações financeiras suspeitas nas empresas envolvidas na compra do avião Cessna Citation PR-AFA, que caiu durante a campanha presidencial de 2014, no litoral paulista, matando o ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência da República Eduardo Campos, além da tripulação e assessores. A campanha de Maria Silva também teria utilizado a aeronave. 

       A notícia foi divulgada hoje logo cedo em vários sites, inclusive no G1, da Globo, assim como no Bom Dia Brasil e na Globo News.

          Quatro dos mandados de prisão são contra empresários pernambucanos, entre eles Apolo Santana Vieira e João Lyra de Mello Filho, apontados como donos do avião da campanha de Eduardo Campos. 

        Eduardo Bezerra Leite e Arthur Lapa Rosal, que também teriam financiado parte da compra da aeronave foram igualmente pegos pelos homens da Polícia Federal. 

*Nas fotos divulgadas pela Polícia Federal, Eduardo Campos e Marina usando o jato na campanha, e a operação deflagrada hoje.