sábado, 24 de junho de 2017

JUSTIÇA DE ALAGOAS NEGA REVOGAÇÃO DA PRISÃO PREVENTIVA DOS ENVOLVIDOS NA OPERAÇÃO SEM FRONTEIRAS

               


          O Juízo de Direito da 17ª Vara Criminal de Maceió indeferiu o pedido de revogação da prisão preventiva de João Paulo dos Santos; Leandro Aristides Bento; Júlio César Wanderley, Luciana Ferro Lima, Djoou Silva Carvalho e de Mário dos Santos Campos Júnior, o vereador Marinho da Estiva, que foram presos no último dia 11 de maio, aqui em Garanhuns, durante a Operação sem Fronteiras.


               Registrando que os acusados poderão vir a se utilizar do benefício (da revogação da prisão preventiva) para, entre outras ações, dificultar a conclusão das investigações, os Juízes publicaram: “indeferimos os pedidos, mantendo a ordem de prisão preventiva dos investigados (…); haja vista a complexidade dos fatos apurados, e considerando que os investigados encontram-se custodiados em outra jurisdição”, registraram os Magistrados na decisão. Antes, depois de ter sido solicitado a manifestar-se sobre a solicitação dos acusados, o Ministério Público opinou pelo indeferimento da revogação da prisão preventiva. Já a Polícia Civil de Alagoas, justificando a complexidade dos fatos investigados, solicitou uma prorrogação do prazo para conclusão do Inquérito Policial.


            Apesar de não revogar a prisão dos suspeitos, o Colegiado de Juízes da Vara Criminal da Capital Alagoana determinou que a Polícia atuasse, com urgência, pelo prazo máximo de 30 (trinta) dias, na conclusão do inquérito policial relativos aos fatos imputados aos investigados. A decisão judicial referente ao Processo nº 0711556-31.2017.8.02.0001  foi expedida no último dia 19.